22 com carinha de 20

Este ano o Festival Brasileiro de Cinema Universitário chega a sua 20º edição em 22 anos de estrada. Após o hiato em 2013, devido à crise que já atingia osfestivais de cinema por todo o Brasil, o FBCU também não aconteceu, pela segunda vez, em 2016. É sempre uma frustração não poder estruturar, realizar e proporcionar ao público esta experiência imersiva de visionamento e debates de uma produção cheia de frescor e tensionamentos de linguagens e discursos que é a produção audiovisual universitária. Após vários adiamentos e esforços constantes desde a última edição, em 2015, reunimos forças, parcerias, pessoas e sentimentos para finalmente conseguir trazer mais um festival repleto de energias positivas e esperança na sua continuidade por muitos e muitos anos. Como já diria a música de Claos Mózi, gravada por Júlia Vargas, "como alguém que celebra lugares, sem comparar, duelar seus gostos, como outrem que adora Juazeiro e Petrolina, 'nós gostamos' de Niterói e Rio".

E neste ano a programação acontecerá nas duas cidades, promovendo a integração das universidades de cinema e espaços culturais locais com realizadores-estudantes que chegarão de diversas partes do Brasil, representando suas produções na Mostra Competitiva Nacional. Além da competição, o festival conta com os Panoramas Nacional e Carioca, Mesas de Debate, Projeto Sal Grosso, Oficina Filmes de Gaveta, Workshop de Fotografia em Cinema, além da homenagem ao Professor Miguel Pereira. Esta edição é mais uma vitória da resistência, sobretudo na atual e complexa conjuntura política do Brasil. Seguimos acreditando na cultura, acreditando no cinema. Seguimos resistindo até 2018!

A Equipe

HISTÓRICO

Em 1995, havia três cursos de cinema e audiovisual ativos no Brasil. A Universidade Federal Fluminense UFF), a Universidade de São Paulo (USP) e a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) mantinham a chama do cinema universitário acesa. O primeiro curso, fundado na Universidade de Brasília (UnB), conservava o departamento, porém não havia alunos inscritos e o vestibular estava suspenso por tempo indeterminado. A situação era essa: dois cursos em São Paulo (um em instituição pública e um em instituição privada) e um no Rio de Janeiro (em instituição pública), compunham todos os estudantes de audiovisual no Brasil.Especificamente, o ano de 1995 é um ponto de inflexão na historiografia do cinema brasileiro, já que é o início da “retomada”, termo designado para destacar o regresso de longas metragens de ficção ao circuito comercial, depois de um início de década praticamente sem produção, e menos ainda, distribuídas comercialmente. Este também é o ano de fun- dação do Festival Brasileiro de Cinema Universitário (FBCU), composto majoritariamente por curtas, formato menos pres- tigiado por historiadores, que tendem a considerar os longas filmes de maior relevância para a história do cinema brasi- leiro, como lembra Jean Claude Bernardet no livro Historio - HISTÓRICOgrafia Clássica do Cinema Brasileiro, publicado em… 1995. Entretanto, é importante pensar o cinema para além dos fil- mes em si e destacar todos os componentes que estão em jogo. Neste caso, que os cursos universitários foram respon- sáveis por manter a produção regular de filmes em película àquela época, e que o FBCU teve a percepção de reunir tais trabalhos, sedimentando parcerias e fortalecendo o nicho da produção cinematográfica estudantil.Nesta vigésima edição (em 2014 e 2016 não foi realizado) do FBCU, é significativo construir um pequeno retrato de toda a empreitada para o surgimento do festival e de sua consolidação ao longo dos anos, fundamental para compreender as últimas duas décadas do cinema no Brasil. O empenho em organizar o primeiro festival universitário, arquitetou uma proposta pioneira, pois “se apóia em um equilibrado tripé cultural, educativo e social, três vertentes que se confundem entre si e com a própria natureza do evento” (Sauerbronn, 2008, p.16). Afinal, em um período em que nem os longas circulavam e a Lei do Curta já não era atuante, a produção universitária era totalmente desprezada fora de um nicho muito específico. Muitas mudanças ocorreram desde então.Em 2017, esse panorama está completamente modificado: são mais de oitenta cursos distribuídos por todas as regiões do Brasil, entre instituições privadas e públicas, segundo pes- quisa do Fórum Brasileiro de Cinema (Forcine), realizada em7 2016. Tais números representam a mudança de status do cinema nas universidades brasileiras, além da própria confi- guração da produção cinematográfica nas últimas duas dé- cadas, em que o FBCU esteve diretamente presente.A maturação do festival não foi do dia para a noite, claro. Dois anos antes da primeira edição, foi realizado o 1º encontro de estudantes de cinema em São Paulo, nas dependências da FAAP. Infelizmente, não há qualquer registro desse encontro, mas é corrente que de tal união surgiu o entusiasmo para que essa rede do cinema universitário continuasse existindo. No ano seguinte, estudantes das três escolas foram até Cabo Frio e realizaram coletivamente o curtametragem Bem Vindo a Sal Grosso. Este filme, exibido na primeira edição do FBCU, sacramentou a relação próxima entre os componentes das escolas que compartilhavam os mesmos desejos, mas não mantinham contato.A concepção inicial era realizar o FBCU em Cabo Frio, todavia por adversidades de estrutura, coube a UFF produzir a primeira edição. Nasceu, então, a ideia de construir uma organiza- ção itinerante, o que também não aconteceu e Niterói passou a sediar o festival permanentemente. Assim, moldaram-se características gerais que perduram até hoje.A primeira edição foi um sucesso, infelizmente não há um catálogo para conservar a memória do evento. No entanto, foram nove dias no Cine Arte UFF, oitenta filmes inscritos e exibidos, patrocínio da Kodak (que apoiou até a quinta edi- ção, exceto a segunda) e uma bela homenagem a Roberto Santos, diretor, roteirista e ex-professor de cinema da ECA/ USP, que havia falecido em 1987. E mais importante, gerou a sensação de que era possível organizar um festival universitário com sucesso.

Lucas Reis

PATROCÍNIO

PATROCÍNIO
PATROCÍNIO
PATROCÍNIO

APOIO

APOIO
APOIO
APOIO

REALIZAÇÃO

REALIZAÇÃO
REALIZAÇÃO
REALIZAÇÃO
REALIZAÇÃO
 
 
REALIZAÇÃO

PARCEIROS

PARCEIROS
PARCEIROS
PARCEIROS
PARCEIROS
PARCEIROS
 
 
PARCEIROS
PARCEIROS
PARCEIROS
PARCEIROS
PARCEIROS